A banda alemã Lacrimas Profundere foi fundada em 1993 pelo guitarrista Oliver Schmid e seu irmão Christopher. Inicialmente, a banda já trazia uma proposta inovadora para sua época: combinar a potência do Metal com arranjos neoclássicos e elementos do gótico oitentista.

Em 1995, a banda já havia passado por várias formações. Neste ano, Anja Hötzendorfer, violinista clássica e vocalista, ingressa na banda e contribui imensamente para o aprimoramento da proposta musical. Assim, em abril deste mesmo ano, iniciaram-se as gravações para o disco de estréia: ...And The Wings Embraced Us.

Este trabalho trazia apenas seis faixas. Nele, percebe-se um rico arranjo de cordas, piano e flauta, que se alternam com passagens características do Death e Doom Metal, como os riffs e vocais guturais. O resultado é um trabalho de estréia muito acima da expectativa que teve uma repercussão tão positiva que a banda passou a integrar a coletânea Deathophobia - Sampler IV, com a música Snow. Este primeiro disco chamou a atenção da gravadora Witchhunt Records e as negociações iniciaram-se em novembro de 1995. Após ambos chegarem a um consenso, o Lacrimas Profundere entrou em estúdio no início de 1996, para iniciar os trabalhos do segundo CD.

La naissance d´un rêve foi lançado em abril de 1996. O segundo álbum chega já sob a responsabilidade de, ao menos, manter o excelente nível musical de seu antecessor. Neste disco, ao longo de suas seis faixa, encontra-se a mesma qualidade de ...And The Wings Embraced Us. Porém, as melodias e os arranjos fazem soar mais melancólico e introspectivo. La naissance d´un rêve, além de fortalecer a imagem da banda na cena do metal alemão, também foi essencial para incluí-los entre os principais artistas da gravadora.

Em 1997 é lançado o EP The Crown of Leaving, com três faixas. No início de 1998, a harpista Ursula Schmidhammer, integrou-se à formação. Neste mesmo ano, participou da coletânea Nuclear Blast-Sampler Nº 12; fato que contribuiu muito para fortalecer sua imagem. A partir deste momento, foram realizadas diversas apresentações ao lado de artistas como Lacuna Coil, Theatre of Tragedy, The Gathering, Haggard, entre outros. Ainda, lançou mais um EP com três faixas, intitulado The Embrance and the Eclipse. Em dezembro, o Lacrimas Profundere assinou contrato com a famosa gravadora austríaca Napalm Records.

Entre abril e maio de 1999, a banda grava o terceiro trabalho da carreira: Memorandum. Ao longo de suas nove músicas, este trabalho deixa nítido a influência gótica do Lacrimas Profundere. Porém, algumas passagens soam um pouco mais melódicas e chegam a lembrar as bandas britânicas Anathema e My Dying Bride. Christopher Schmid mostra-se versátil ao oscilar entre os vocais guturais e limpos. Os arranjos tornam-se mais sofisticados com a harpa de Ursula. As composições das letras estão mais harmoniosas e complexas. Além disso, os teclados, cordas, pianos e a voz de Anja compõem um trabalho de excelente qualidade; considerado por muitos críticos uma combinação de tudo que há de melhor nos discos anteriores. A terceira música de Memorandum, ...And How to Drown in Your Arms, chegou a atingir a terceira posição na "US-Metal Radiocharts".

Paralelamente ao lançamento, a banda apresentava-se em Summerbreeze e preparava-se para excursionar ao Japão e América do Sul. Outras apresentações ao lado de Tristania e The Sins of thy Beloved também estavam programadas; mas foram canceladas devido à problemas de saúde dos integrantes.

Após o lançamento de Memorandum, ocorreram mudanças significativas no Lacrimas Profundere. O baterista Lorenz e a harpista Ursula abandonaram a banda alegando motivos familiares. Anja Hötzendorfer também deixou a formação para dedicar-se ao seu trabalho em orquestras. Em seguida, Lorenz foi substituído por Willi Wurm, da banda Darkseed. Mas, após apresentações em Leipzig, o baixista Markus Lapper, um dos integrantes mais antigos, também deixou o Lacrimas Profundere. Para ocupar sua vaga e dar início à produção do próximo trabalho, foi convidado outro membro do Darkseed.

As gravações iniciaram-se no final de 2000 e o álbum Burning: A Wish foi lançado em 2001. As mudanças que ocorreram na formação da banda já surtiram efeito neste trabalho. Burning: A Wish, ao longo de suas dez músicas, desenvolve-se com uma sonoridade menos carregada no peso do metal, que caracterizava os trabalhos anteriores. Uma evidência disto são os vocais de Christopher Schmid, que soam mais limpos. Porém, não apenas nos arranjos, mas também nas letras, as músicas soam mais tristes e introspectivas.

O violão, piano e teclados com timbres atmosféricos e vocais femininos de fundo, encarregam-se de produzir as passagens mais suaves. Uma das músicas mais interessantes é a oitava faixa. Morning... Grey tem pouco mais de três minutos e sua base harmônica é composta por um lento arpejo de piano que se combina com um doce vocal feminino e violinos de fundo, enquanto Christopher "recita" a letra.

Em setembro 2001, o Lacrimas Profundere apresentou-se no México ao lado de After Forever, Within Temptation e Diva Destruction. No ano seguinte foi lançado o quinto álbum: Fall, I willl Follow. Este disco foi responsável por uma grande mudança na sonoridade. Ficam nítidas as influências do rock gótico oitentista, mas a banda consegue ainda mesclar elementos do metal e produzir um bom "meio-termo" entre as duas vertentes; incluindo ainda detalhes de música eletrônica. Por vezes, soando até como o HIM.

A versatilidade do Lacrimas Profundere chamou a atenção e Fall, I willl Follow foi considerado pela crítica como o melhor álbum da banda até aquele momento. Foi este CD que abriu portas importantíssimas e chegou a ser incluso como "Álbum do Mês" na imprensa especializada de vários paises da Europa. Esteve por 12 semanas no DJ-Chart Official alemão e 15 semanas em execução nas rádios americanas. A turnê de divulgação, realizada com oito apresentações em novembro de 2002 no México, foi muito bem recebida pelo público fã de Metal. Nesta mesma época, a banda relança seus primeiros álbuns ...And the Wings Embraced Us e La Naissance D´un Rêve em um único CD intitulado The Fallen Years.

Em 2003, o Lacrimas Profundere rodou pela Alemanha em diversas apresentações e turnês ao lado de bandas como Paradise Lost e Amorphis; chegando a apresentar-se até mesmo na Turquia. As turnês prosseguiram em 2004 e a banda apresentou-se em diversos festivais alemães. Neste mesmo ano foi lançado o sexto disco da carreira.

Ave End chega sob a expectativa causada por seu antecessor e com o objetivo de mostrar que o Lacrimas Profundere possui uma grande versatilidade musical e uma sólida discografia. Este trabalho pode ser considerado uma continuidade de Fall, I willl Follow, e a impressão que fica é que a banda definitivamente enveredou-se pelas trilhas do Gothic Rock; porém, sem deixar de lado sua face Metal.

O disco é muito bem recebido pela crítica e também agrada muito aos fãs conquistados com o disco anterior. Entre as dez faixas que compõem Ave End, o destaque fica para a quarta música, Sarah Lou. Porém, Amber Girl é a música selecionada para divulgação do trabalho e ganha uma versão videoclipe, o primeiro da banda. Ave End, definitivamente, coloca o Lacrimas Profundere entre as principais bandas do segmento.

Segundo os próprios Oliver e Christopher, "Ave End é nosso primeiro álbum conceitual e aborda o fim. Todas as canções falam sobre o fim de uma relação, ou sobre drogas, prostitutas e outras coisas que o conduzem ao fim". Em 2005, realiza uma turnê e se apresenta em diversos festivais europeus ao lado do The 69 Eyes. Em abril deste mesmo ano, o baterista Christian Freitsmiedl abandona a banda e Tony Berger assume sua vaga.

Em 2006, o Lacrimas Profundere dá início às gravações do próximo trabalho. Em maio, é lançado o EP Again It's Over com seis faixas. Em seguida é produzido o videoclipe da mesma faixa. Em julho, a banda dispara o álbum Filthy Notes For Frozen Hearts.

Ao longo de suas 12 músicas, este CD deixa nítido a influência de Gothic Rock recebida de banda como o The 69 Eyes. Percebe-se também que o Lacrimas caminha por uma trilha iniciada nos álbuns anteriores, priorizando um equilíbrio entre o Metal e o Gothic Rock. No segundo semestre deste ano, após o lançamento de Filthy Notes For Frozen Hearts, a banda faz mais de 40 apresentações.

Já em 2007, Christopher Schmid e Daniel Lechner deixam a banda alegando stress devido às turnês constantes; enquanto Rob Vitacca se une ao Lacrimas Profundere. Neste momento, já havia rumores de um novo trabalho em andamento. Em setembro, iniciam-se as gravações.

Assim, em junho de 2008, é lançado Songs for the Last View. O oitavo álbum da carreira do Lacrimas Profundere traz treze faixas que obtiveram uma ótima repercussão na mídia especializada, sendo classificado como "essencial para amantes do rock gótico".

Ao longo de dez anos de carreira, vários álbuns e singles foram lançados. Se comparados o primeiro trabalho e o mais recente, percebe-se uma enorme diferença na sonoridade. Algumas vezes soando até mesmo como o Rock setentista, produzindo o chamado (pela própria banda) "Sad'n'Roll". Esta diferença pode ser justificada devido à constante troca de integrantes. Porém, é sem dúvida, uma prova da versatilidade do Lacrimas Profundere.

 

Por Spectrum

 


 

 

Downloads Disponíveis: