Na década de 70 a Inglaterra foi tomada pelo movimento Punk. A atitude ousada da juventude que se manifestava socialmente, ocupou espaço principalmente na música. Desta forma, bandas como Sex Pistols e The Clash invadiram o cenário e proclamaram uma nova era musical; onde a técnica e o refinamento ficaram legados ao segundo plano, e a postura social foi a principal propulsão. Nesta cena de revolução juvenil, surgiu o Joy Division.

No dia 9 de dezembro de 1976, os três amigos Bernard Sumner (guitarra), Peter Hook (contra-baixo) e Terry Mason (bateria), subiram ao palco para uma apresentação ao vivo. Porém, a repercussão não foi muito boa, segundo a revista local Sounds.

A formação da banda que nascia, seria completada quando um quarto jovem chamado Ian Curtis respondeu ao anúncio de jornal de Bernard, procurando por um vocalista. Ian, que era visto usando uma jaqueta jeans escrita a palavra Ódio, foi aceito sem ter sido submetido a nenhum tipo de teste, e ingressou na Warsaw (Varsóvia), nome inspirado em uma música de David Bowie. Pouco tempo depois, o baterista Terry abandonou a condição de músico e tornou-se uma espécie de empresário da banda. Tony Tabac foi chamado para substituí-lo. Sem ao menos ter realizado um ensaio, o novo baterista participou de uma apresentação na casa Electric Circus, em Manchester, no dia 29 de maio de 1977. Após pouco mais de um mês, Tony foi excluído por não demonstrar interesse. Desta vez, o substituto foi Steve Brotherdale, que apesar de ser um bom músico, não se enquadrou no estilo da banda. Brotherdale ainda fez um convite para Ian participar de uma outra banda denominada Panik, mas foi recusado. O baterista definitivo assumiu poucos dias depois: Stephen Morris, que foi o único a responder um anúncio colocado numa loja de discos. Assim, finalmente a Warsaw encontrou sua formação.

No decorrer do ano de 1977, a banda fez apresentações esporádicas em Manchester e seus arredores. A Electric Circus estava encerrando suas atividades, e foram agendados dois festivais para a despedida. A banda participou do segundo e teve a faixa At A Latter Date, que foi gravada ao vivo, incluída na coletânea Short Circuit - Live At The Electric Circus. Infelizmente, eles foram lembrados apenas porque no início da música, Bernard gritou: "Todos vocês esqueceram Rudolf Hess!". Naquela época, o ex-carrasco nazista, com 80 anos, estava preso e sendo fortemente vigiado. Este fato colaborou para que no futuro, a banda fosse rotulada como nazista.

Em dezembro, a Warsaw entrou no Penine Studio para a gravação de quatro faixas lançadas em junho do ano seguinte na EP independente An Ideal For Living. Nesta época, descobriram que havia um grupo londrino de Heavy Metal denominado Warsaw Pakt. Para evitar confusões, a Warsaw passou a se chamar Joy Division, seguindo a sugestão de Ian Curtis. Este nome foi extraído do livro The House Of Dolls, que descrevia os horrores do nazismo, e significa Divisões do Prazer: alojamentos destinados às mulheres judias que eram obrigadas a se prostituir nos campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

A primeira apresentação como Joy Division ocorreu no dia 25 de janeiro de 1978, na Pip's Disco, em Manchester. No dia 14 de abril, a banda participou de um festival onde o vencedor teria um contrato com a gravadora Stiff. Entre as dezessete bandas, o Joy Division foi a última a se apresentar. Não venceu, mas chamou a atenção de Tony Wilson, apresentador de um programa de TV, e de Rob Gretton, que tornou-se o empresário.

Nos dias 3 e 4 de maio, gravaram 11 faixas que comporiam o álbum de estréia da banda pela RCA. Mas nunca chegou a ser lançado oficialmente, pois os integrantes não gostaram da produção musical e dos sintetizadores adicionados posteriormente. Este disco foi disponibilizado apenas em versões clandestinas, ainda com o nome de Warsaw, e encontra-se as primeiras versões de Transmission e Shadowplay, faixas que futuramente se tornariam clássicas. Segundo Peter Hook: "Havia de repente uma diferença marcante entre as músicas". Assim, as faixas compostas após a gravação daquele álbum eram muito superiores.

Alguns eventos promovidos por Tony Wilson em Manchester, contaram com a participação de Joy Division. A banda também participou de uma coletânea intitulada A Factory Sample da gravadora de Wilson, contribuindo com duas faixas: Digital e Glass. A partir deste momento, o produtor Martin Hannett passou a trabalhar com a banda, extraindo a musicalidade sombria que os integrantes almejavam.

A primeira apresentação em Londres, ocorreu no dia 27 de dezembro de 1978. Em janeiro do ano seguinte, gravaram quatro faixas para a emissora BBC, e foram capa da revista New Musical Express, atraindo a atenção do público inglês.

O disco de estréia não poderia tardar. Em abril de 1979 foi gravado o Unknown Pleasures em apenas quatro dias e meio, e lançado em junho. A ousada produção de Martin Hanett e o talento dos jovens músicos, fizeram com que a banda fosse aclamada pela crítica. Assim, o Unknown Pleasures que trazia vários efeitos de estúdio como o som de vidros se partindo; além de bateria e baixo em primeiro plano, foi considerado um dos melhores álbuns de estréia de todos os tempos.

A banda se apresentava em palcos com pouca ou nenhuma iluminação. Nas letras e na interpretação, Ian Curtis abusava da expressão trágica e desesperadora. Assim, eles conquistaram um grupo fiel de admiradores que se identificavam com esse aspecto sombrio. As turnês se iniciaram. Os jovens da França, Alemanha, Bélgica e Holanda viram de perto a lenda Joy Division, em 1979.

Em 1980, foi lançado um compacto de sete faixas com um número limitado de 1578 cópias. Com a produção impecável de Martin Hannett, o segundo álbum foi gravado em março do mesmo ano em 12 dias. Os teclados foram o destaque deste disco que teve a bateria e os vocais gravados numa abóbada de estuque, especialmente desenvolvida para criar uma atmosfera lúgubre.

Nos meses seguintes, várias apresentações foram canceladas devido a má saúde de Ian. A epilepsia tornava-se intensa e os ataques ocorriam no palco. Uma turnê americana de três semanas nem chegou a iniciar. Assim, no dia 18 de Maio, Ian Curtis foi encontrado morto em sua casa, enforcado.

O compacto Love Will Tear Us Apart foi lançado em maio e colocou a banda pela primeira vez no Top 20 britânico e foi escolhido como o compacto da semana na New Musical Express. O álbum Closer lançado no mês seguinte chegou a atingir a sexta colocação na parada britânica. O álbum Still de 1981, trazia apenas refugo do estúdio e o último concerto do grupo. Desde então, inúmeras compilações foram lançadas e integradas à discografia da banda. Os remanescentes prosseguiram como New Order, e se estabeleceram como um dos mais importantes grupos dos anos 80. Porém, o Joy Division ainda é uma lenda do Rock mundial. Ian e seus companheiros são cultuados como verdadeiros símbolos de uma juventude angustiada que encontrou abrigo e tornou-se órfã com o Joy Division.

 

Por Spectrum

 


 

 

Texto Complementar:

 

Downloads Disponíveis: