No ano de 1993, os músicos Iskandar Hasnawi e Renaud Tschirner deram início a um projeto que trazia a combinação de elementos da música clássica e eletrônica, com violinos, vozes e sintetizadores, entre outros; criando assim uma sonoridade obscura que pode ser classificada como Dark Ambient ou Dark Atmospheric.

No ano seguinte, a dupla convidou a vocalista Eve-Gabrielle a participar do projeto, que naquele momento já havia recebido o nome Elend. Assim, o trio preparava-se para a elaboração do primeiro trabalho. No mesmo ano, foi produzido e lançado pela gravadora francesa Holy Records o Leçons de Ténèbres. Este álbum traz nove faixas e estende-se por mais de 56 minutos e é o primeiro da trilogia intitulada Officium Tenebrarum. Algumas músicas trazem citações de Paradise Lost do escritor francês John Milton e atribuem um caráter místico a este álbum de estréia.

Em abril de 1995, o Elend fez sua primeira apresentação pública em um festival na cidade de Reims (França) e em seguida passou a contar com a soprano Nathalie Barbary na formação oficial. Em março de 1996, foi lançado o segundo trabalho: Les Ténèbres du Dehors (Officium Tenebrarum II). Este álbum, gravado também pela Holy Records, foi lançado em duas versões (com apenas uma música acrescentada em relação à primeira versão) e traz Ethereal Journey como um dos destaques, com mais de 14 minutos de duração. A ótima recepção que a banda havia obtido com os primeiros lançamentos, despertou o interesse da gravadora Music for Nations. Assim, foi registrado um contrato de quatro álbuns.

Entretanto, em junho de 1997, foi lançado um álbum independente da série Officium Tenebrarum, ainda pela Holy Records, denominado Weeping Nights, contendo algumas faixas inéditas (como O Solitude e The Embrace) e outras que já compunham os discos anteriores (como The Luciferian Revolution e Nocturne). Neste mesmo ano, Sébastien Roland passou a integrar a formação da banda como tecladista. Em setembro de 1997, iniciaram-se as gravações para o próximo trabalho.

The Umbersun (Officium Tenebrarum III), gravado em Londres e lançado em 1998, mantém a linha de vocalizações e instrumentação clássica que produz atmosferas dramáticas e intensas, com letras em hebraico, latim e inglês. A gravação de The Umbersun contou com a participação da Joyful Company of Singers (um coro inglês composto por mais de trinta vozes) e produção de Dominique Brethes e Damian Taylor.

O lançamento de The Umbersun completa a trilogia da série Officium Tenebrarum, que é uma antiga tradição cristã celebrada na semana de Páscoa pelos primeiros cristãos de Roma. A liturgia foi retomada e se popularizou na França do século XVII.

Após este lançamento, os integrantes do Elend passaram a dedicar-se a projetos paralelos; entretanto, sem que houvesse um distanciamento entre si e com a proposta musical da banda. O reencontro ocorreu apenas em 2002.

Já em 2003, foi lançado Winds Devouring Men (Winds Cicle I) que marcou o ressurgimento do Elend no cenário musical e o início de uma nova seqüência de álbuns conceituais. Este trabalho trouxe mudanças significativas em relação aos discos anteriores. Winds Devouring Men expõe uma qualidade musical muito superior e soa muito mais intimista e melancólico. Um exemplo é a segunda faixa, Worn Out With Dreams, que se desenvolve com suavidade sobre um violão, vozes e teclados. Aqueles ouvintes que se acostumaram às sonoridades dramáticas, intensas e violentas dos álbuns anteriores, certamente, notaram a reformulação da proposta musical do Elend.

A partir de setembro de 2004, a discografia do Elend passou a contar com mais um trabalho. Sunwar the Dead (Winds Cicle II) traz onze faixas que resgatam a agressividade e dramaticidade dos discos que compõem a trilogia Officium Tenebrarum. Este trabalho traz em sua orquestração uma rica produção sinfônica com mais de cinqüenta músicos. As letras fazem referência aos antigos autores e pensadores gregos como um longo e profundo épico musical.

No ano de 2005, a banda concedeu várias entrevistas à imprensa especializada e comprovou a popularidade e o respeito que vinha conquistando nos últimos anos. Em outubro, foi anunciado o término das gravações do sétimo álbum. O ano de 2006 foi ocupado quase que totalmente com o processo de finalização deste trabalho.

Finalmente, após sucessivos adiamentos, foi lançado em fevereiro de 2007 o álbum A World in Their Screams (Winds Cicle III). Este álbum, o sétimo da carreira e o que finaliza a trilogia Winds Cicle, traz onze faixas com um maior volume de elementos eletrônicos e orquestrais. A World in Their Screams é considerado pela própria banda o trabalho mais obscuro, denso e sufocante de sua discografia.

Após quinze anos de carreira e sete álbuns lançados, a banda franco-austríaca concretizou-se como uma das mais sólidas referências de seu segmento. Sem restringir-se à classificações como Dark Ambient, Neo-classical ou qualquer outra denominação superficial, o Elend auto-justifica sua notoriedade por músicas e álbuns que não são apenas uma união e uma combinação de sonoridades; mas, principalmente, por trabalhos que buscam, com profundidade, referências históricas e despertam no ouvinte sentimentos adormecidos na alma.

 

Por Spectrum

 


 

 

Download Disponível:

 

Entrevista: