Eu vejo o industrial e o gótico como dois lados da mesma moeda - o yin e o yang - o masculino e o feminino, escreve Alicia Porter em sua pesquisa Study of Gothic Subculture,(...) O gótico expressa o emocional, a beleza, o sobrenatural, o feminino, o poético, o teatral;...

Goth Chic - Gavin Baddeley (2003)

 

Por que nos atraímos inicialmente por uma subcultura com características X, Y ou Z, e não por uma subcultura com características A, B ou C? Isso acontece pois algumas características nossas que não encontravam um modelo de expressão e identificação em outros lugares acabaram por encontrá-lo na subcultura Gótica e em sua Estética, Cena e História.

A identificação inicial é sempre Intuitiva e Estética: como uma paixão. Porém, se o indivíduo em questão nunca entrar em contato com a subcultura Gótica esta identificação se torna impossível.

Mas quais seriam estas características que nos atraem na subcultura Gótica? Podemos dizer que a subcultura Gótica vem exatamente suprir deficiências da cultura oficial industrial do ocidente. Por isso muitas vezes elabora características opostas a ela.

A cultura oficial nos dita comportamentos despersonalizados, impede a individualidade, nega a morte enquanto experiência vital, e é apolínea, mecanicista, positivista e predominantemente "Yang" (masculino como referência de humano).

Nela não há mais espaço para aquele Individualismo que o Oscar Wilde define no seu livro A alma do homem sob o socialismo. Assim, buscamos "espaço" ou "algo que nos falta" em alguma subcultura.

Podemos dizer que outro elemento que caracteriza o Gótico é um caráter compensatório Ying, pois a sociedade oficial é hoje predominantemente Yang. Assim, buscamos um equilíbrio ou compensação.

Podemos observar o caráter Ying de todo sistema estético e simbólico do Gótico (e também em grande parte da Darkwave). O conjunto destes símbolos é repetido em grande quantidade e freqüência em letras, músicas, roupas, imagens, comportamentos, discursos, etc ligados a subcultura gótica:

 

  • Lua
  • Prata
  • Água/Mar
  • Noite
  • Outono e inverno
  • Sensualidade
  • Mistério
  • Decadência
  • Expressionismo
  • Feminilidade (no caso das mulheres) e Anima (parte feminina no homem)
  • Onírico
  • Surrealismo
  • Dionisíaco
  • Intuição
  • Androginia
  • Drama
  • Anti-racionalismo
  • Expressão da Emotividade
  • Lirismo
  • Serpente
  • Vampiro
  • Bruxa, feiticeira, magia
  • Ennui, spleen
  • Horror com humor
  • Obscuridade
  • Paixão
  • Anjos caídos
  • Urbanidade problemática/ cidades vazias
  • Romantismo
  • Seasonal, cíclico
  • Hedonismo

 

Claro que nenhum Gótico ou obra de arte da subcultura Gótica possui todos estes elementos no grau máximo, nem isso é necessário, pois como verificamos em qualquer sistema cultural (como o brasileiro ou nordestino, por exemplo) ou subcultural, nenhum indivíduo ou obra possui a totalidade do sistema, mas ambos fazem parte do sistema simbólico, se relacionando e se ligando a outros elementos e símbolos que aumentam o sentido do conjunto e formam um tipo de "ambiente".

Assim, algumas pessoas desenvolvem mais alguns elementos do que outros. Isso que nos faz permanecer indivíduos mesmo dentro de uma subcultura. Depois, em um segundo momento, começamos a compreender o significado da atração que estes símbolos estéticos e esses sentimentos exercem sobre nós.

Isso nos faz entender e nos interessarmos também pela história e teoria da subcultura Gótica. Sem deixar de senti-las. Sentir e saber não são coisas excludentes, é falso o dualismo que opõe sentimento e conhecimento.

Mas isso é um processo que se dá com a vivência na subcultura. Pois o aprendizado é um processo afetivo de sucessivos ciclos de aproximações e estagnações ao longo do tempo.

Afinal, Cultura sem sentimento é Erudição estéril, e Sentimento sem Cultura, cai no lugar comum.

 

Por H. A. Kipper

Extraído de A Happy House In A Black Planet: Introdução à Subcultura Gótica